Alemanha, Hungria e provavelmente também na Espanha. Mas as baterias de carros elétricos da CATL também poderiam ver a luz do dia em outras fábricas no Velho Continente. "Vamos avaliar uma expansão das fábricas na Europa de acordo com a demanda".

Essas são as palavras de Zeng Yuqun, fundador e CEO da gigante chinesa. De acordo com o Il Corriere della Sera, que entrevistou o número um da gigante asiática, ele possui uma fortuna pessoal de mais de 21 bilhões de euros e lidera uma empresa com uma participação de mercado global de 37,4%.

CATL no Salão Automóvel de Xangai

Bicho-papão da China? Não

"Com a Europa acelerando os esforços para combater as mudanças climáticas, há um enorme potencial de crescimento do mercado e nossas fábricas em construção nos ajudarão a lidar com a crescente demanda", explica Zeng ao revelar possíveis projetos de expansão.

No entanto, apesar da chegada da CATL e de outras empresas chinesas ao Velho Continente, o CEO tem a certeza de que a indústria local pode sobreviver a novos concorrentes, porque "a Europa inventou os primeiros carros e tem 150 anos de experiência e competências acumuladas".

"Agora os fabricantes europeus estão acelerando seus esforços, então não acho que eles estejam muito atrás. A Europa terá tanto sucesso com os motores elétricos quanto tem tido com os motores térmicos. Nos últimos 10 anos, o desenvolvimento de tecnologias de bateria aumentou o alcance do carro elétrico em 6 a 7 vezes, com uma redução de custo de 80%.

Hoje, na China, o carro elétrico atingiu o mesmo nível de eficiência de custo de um carro com motor térmico. Acredito que o mesmo acontecerá na Europa em um futuro próximo, desde que todas as partes envolvidas na cadeia de valor trabalhem juntas para promover avanços tecnológicos.

Foto - CATL no Salão Automóvel de Munique de 2023

CATL no Salão Automóvel de Munique de 2023

Não às tarifas, sim à cooperação

O foco então muda para as relações entre Pequim e Bruxelas, exacerbadas pela investigação antissubsídios da Comissão Europeia, que poderia levar a novas tarifaspunitivas:"O desafio climático é global. Acreditamos que somente por meio da abertura e da cooperação é possível garantir um desenvolvimento saudável do setor", comenta Zeng, com cara de irritado.

Sobre esse assunto, o Ministério do Comércio da China está agora emitindo algumas diretrizes para incentivar o segmento NEV (veículos de energia nova, a combinação de veículos elétricos, híbridos plug-in e de célula de combustível) a responder "ativamente" às restrições comerciais internacionais.

Os protagonistas dos documentos são a criação de centros de pesquisa e desenvolvimento e serviços de pós-venda no exterior e a colaboração com parceiros estrangeiros em cadeias de suprimentos e empresas de transporte. O foco também estará nas exportações de veículos.